Luto Nacional

Estamos em dias de luto nacional, o que não impede da vida continuar, porém, não deixa de parecer fútil, falar de outros assuntos como look do dia, o que se vai usar no verão, ou que protectores se devem usar na praia, perante tragédias pessoais e nacionais.

O que é o luto nacional?

Em Portugal compete ao Governo declarar o luto nacional sob a forma de Decreto, submetido a promulgação do Presidente da República. Casos de luto nacional de decretamento obrigatório:

  • Falecimento do Presidente da República (em exercício);
  • Falecimento do Presidente da Assembleia da República (em exercício);
  • Falecimento do Primeiro-Ministro (em exercício);
  • Falecimento de antigos Presidentes da República.

O luto nacional pode ser também decretado pelo falecimento de personalidade, ou ocorrência de evento, de excepcional relevância.

Durante os dias de luto nacional a Bandeira Nacional deve ser içada a meia-haste em todos os edifícios públicos e encontram-se impedidos todos os festejos organizados ou promovidos por entidades públicas, devendo os mesmos, consoante o caso, ser cancelados ou adiados.

Para que serve?

Para recordar uma tragédia, como a deste fim‑de‑semana, para não a deixar passar em vão como mais uma notícia frívola; assistir  os feridos, cuidar dos familiares e mostrar a união de um país à volta das necessidades dos que combatem esse grande mal perverso e organizado, os fogos.

O luto nacional é um meio do país exprimir a sua dor mas para se repensar como estrutura e actuação no terreno.

Todas as palavras são vãs perante a morte de uma ou 62 pessoas, somente têm lugar as de agradecimento aos verdadeiros heróis, os bombeiros, e as de pesar às famílias tocadas pela desgraça. E, recordar mais uma vez, que tudo na vida é graça.