Novidades na tradição

A marca suíça independente tem defendido a relojoaria industrial ao longo dos 111 anos da sua história. Os fundadores da marca acreditavam na possibilidade de criar os melhores relógios aos melhores preços – uma visão que preconizava uma abordagem industrial. Em 2014, a Oris assinalou o seu 110.o aniversário com o lançamento do Calibre 110, um movimento mecânico de corda manual com uma extraordinária combinação de complicações.

E a história prossegue com o Calibre 111 – um momento assinalável na história da Oris. À semelhança do seu antecessor, o novo calibre apresenta uma reserva de marcha de dez dias e um indicador não-linear de reserva de marcha. Desta vez, a Oris introduziu uma função de data na posição das 9 horas. É o primeiro calibre patenteado, produzido industrialmente que a empresa relojoeira suíça independente introduz no mercado desde os anos de 1970, e recupera uma tradição iniciada pelos fundadores da Oris no início do século XX. O Calibre 111 é desenvolvido internamente e é produzido pelos melhores fabricantes de componentes na Suíça.

O Calibre 111 constitui um magnífico exemplo do pioneirismo da Oris relativamente à concepção de movimentos. Baseia-se no conceito de tambor único, e foi projetado para que a sua grande reserva de energia seja libertada uniformemente ao longo de um período de dez dias. O relógio apresenta também o indicador não linear de reserva de marcha patenteado pela Oris, um visor na posição das 3 horas que indica – de dez dias até zero – a autonomia residual do movimento. Na parte superior da escala, as marcas que indicam os dias estão separadas por pequenos intervalos, enquanto na parte inferior da escala esses intervalos são cada vez maiores. À medida que a energia vai sendo libertada, o ponteiro move-se no sentido horário ao longo da escala, lentamente no início, e depois mais rapidamente quando os intervalos entre as marcas se tornam maiores. Esta concepção engenhosa dá ao utilizador uma indicação clara da energia remanescente à medida que se aproxima o momento de dar corda ao relógio.

No que diz respeito à concepção, o Calibre 111 dá continuidade à história do Calibre 110. Também ele é uma peça inspirada nos princípios da alta relojoaria, sendo produzido e acabado com recurso a técnicas industriais. Só na produção das pontes do calibre existem oito etapas. Desde a fresagem à gravação e ao acabamento, cada fase é monitorizada através de frequentes inspeções de controlo de qualidade. A criação das rodas do balanço é igualmente minuciosa. Cada roda é produzida com tolerâncias de milésimos de milímetro – um processo meticuloso que garante a máxima qualidade.

Existem quatro versões do Calibre 111 com 43 mm de diâmetro – duas de aço inoxidável e duas de ouro rosa de 18 quilates. O modelo de aço inoxidável está disponível com um mostrador em tom cinza-prata ou com um mostrador em tom ouro negro radial, e o modelo de ouro rosa com um mostrador em tom prata-ouro opalescente ou com um mostrador castanho-avermelhado. Todos os modelos são apresentados com uma bracelete de pele genuína de crocodilo do Louisiana, com a opção de bracelete de aço inoxidável para o modelo de aço.

“No decurso dos últimos dois anos efectuámos avultados investimentos em experiência, em pessoas e em infra-estruturas, para agora podermos assumir o controlo” declara Ulrich W. Herzog, presidente executivo do Grupo Oris. “O Calibre 111 aproxima a Oris um pouco mais do processo de fabrico. Estamos a assumir nós mesmos cada vez mais a produção – estamos a resgatar a arte da relojoaria.”

Calibre 111 – mais um movimento de grande precisão da arte relojoeira, e uma notável adição à longa tradição de calibres desenvolvidos internamente pela Oris.