Esculturas Sonoras 1994-2013 na Culturgest

 ruitoscano
Em 1994, Rui Toscano (Lisboa, 1970) produziu uma escultura sonora que se viria a revelar determinante no desenvolvimento da sua prática artística nos anos subsequentes.
Bricks are Heavy, assim se intitulava, inaugurou uma genealogia de obras em que o artista utiliza o radiogravador simultaneamente como elemento escultórico e como sistema de amplificação sonora.
A referência à cultura rock, e por essa via a uma determinada cultura juvenil que o artista perfilhava, estava muito presente nas primeiras dessas peças – também em (They Say We’re Generation X But I Say We’re Generation Fuck You!), de 1995. Mas o que persiste em todas as suas esculturas sonoras, e que poucos terão notado na década de 1990, é a espantosa reativação da linguagem formal característica da escultura minimalista (o recurso à forma do paralelepípedo e, por vezes, a sua replicação serial), a partir de premissas, atitudes e questões completamente estranhas a essa tradição. São disso testemunho inequívoco Black Painting (Perfect Lovers), de 1997, T, de 1998, Whistling in the Dark, de 2001, Light Corner, de 2006, ou From Point A to Point B, de 2009.
O radiogravador era, já em meados da década de 1990, um objeto obsoleto, em vias de desaparecimento, e isso tornou cada vez mais difícil, mas não impediu, o desenvolvimento deste corpo de trabalhos.
Nesta exposição, aos trabalhos já referidos, juntam-se duas novas esculturas sonoras, uma delas projetada há dez anos, mas que só agora foi possível concretizar: Square Fall, de 2012, e No Saying Yes, de 2002-2013.
Esculturas Sonoras 1994-2013 de Rui Toscano
09.02.13  –  19.05.13
Inauguração
8 Fevereiro . 22h